Tratamento para dependência química e alcoólica voluntária e involuntária

Sempre tem alguém que precisa de ajuda profissional.

Ser Humilde para Receber o Tratamento é o Primeiro Passo.

http://www.anjosdeumaasa.com.br/

(11) 4407.0232 / (11) 4407.0330
Tim – (11) 95812-3222
WhatsApp e Vivo: (11) 95025-5857
Nextel: (11) 9.4007-9752 ID:35*50*5075

Como lidar com meu filho dependente de drogas?
Não sei o que fazer? Como orientá-lo a se tratar?A Equipe Anjos de Uma Asa, fornece algumas orientações para que a família ajude uma pessoa que desenvolveu dependência de drogas mas não quer procurar tratamento.1. Interrompa as “operações resgate”– Freqüentemente, membros da família tentam proteger o dependente das conseqüências de seu problema, inventando desculpas ou tirando-o de confusões resultantes de seu consumo de drogas. O aconselhável é interromper essas “operações resgate” e dar-lhe oportunidade para vivenciar integralmente as conseqüências danosas de seu comportamento, aumentando significativamente sua lista de motivos para mudar de comportamento.

2. Escolha o momento apropriado para conversar – organize-se para falar com a pessoa pouco depois da ocorrência de algum problema. Por exemplo, após uma briga familiar séria na qual o uso de álcool ou drogas tenha tido um papel importante, ou logo após um acidente ocorrido sob o efeito de drogas. O momento certo é aquele no qual o efeito da substância já tenha passado, em que ambos estejam calmos e em que seja possível obter um certo grau de privacidade.3. Seja específico – Diga claramente para a pessoa que está preocupado com seu consumo de drogas e que quer ajudá-la a procurar atendimento especializado. Fundamente sua preocupação com exemplos de situações nas quais o uso da substância tenha causado problemas ao próprio usuário, a você ou a terceiros, incluindo o incidente mais recente.4. Deixe claras as conseqüências de recusar-se a procurar ajuda – Explique para o dependente que até que ele (ou ela) aceite ajuda especializada você irá tomar algumas atitudes na sua vida, não para puni-lo, mas para se proteger. Essas medidas podem variar de não acompanhá-lo a eventos onde o consumo de substâncias sempre acontece, até mudar de casa para não se envolver em situações problemáticas. Mas cuidado: não faça ameaças que não possa cumprir, mencione apenas o que você realmente tem condições de por em prática.5. Esteja pronto para ajudar – reúna antecipadamente informações sobre possíveis locais de tratamento ou ajuda. Se a pessoa aceitar procurar alguém, telefone imediatamente para marcar um horário e ofereça-se para acompanhá-lo na primeira visita.Vale lembrar que se ele recusa se tratar, sua família poderá dar o primeiro passo, buscando ajuda especializada. Desta forma, os familiares se tornam, antes de tudo, um exemplo para o dependente e, o mais importante, demonstram e assumem que estão dispostos a participar ativamente deste processo e que todos estão implicados. Ou seja, o problema não é só do dependente, é de todos!
O melhor a fazer é procurar tratamento e orientações com profissionais de saúde especializados no assunto de dependência química, como um psicólogo ou médico psiquiatra.

Carlos Ono

Sobre Carlos Ono