As urnas eletrônicas são confiáveis?

Por 27 de outubro de 2014Urnas Eletrônicas no Brasil

Eis uma pergunta que alguns se fazem, mas ainda é um tema pouco debatido. Toda eleição brasileira é a mesma coisa: as autoridades celebram a rapidez da apuração, graças a nossa tecnologia. Mas seria paranoia desconfiar do sistema?

Luiz Roberto Nascimento Silva, advogado que já foi ministro da Cultura, acredita que não, e escreveu um artigo no GLOBO hoje com questões importantes sobre o assunto. Eis um trecho:

Num país onde se desvia merenda escolar, se rouba remédio popular e se desnaturam emendas parlamentares, a prática política assegura o direito ao silêncio premiado, mas impede a delação premiada, causa-me estranheza que tenhamos adotado o modelo eletrônico de votação, sem maior debate ou cuidado. Já foram praticados inúmeros crimes de apropriação indébita eletrônica, sem maior divulgação. Soa-me, portanto, ingênuo não debater essa questão.

Serão as economias mais desenvolvidas de EUA, Alemanha, França e Japão países atrasados por continuarem a se utilizar de processos históricos de apuração? Os Estados Unidos são o país com o maior domínio e criatividade na informática e uma nação da qual não se duvida de seus propósitos democráticos. Eles continuam a obedecer à sistemática do voto distrital concebido na sua formação política e a utilizar um sistema quase artesanal na apuração do voto. Por que esses países continuam a ter controles humanos ao lado do processo eletrônico?

Essa pergunta é que precisa ser feita com mais frequência. Alguém realmente acredita que os Estados Unidos não possuem capacidade tecnológica para ter um sistema como o nosso? Nem de brincadeira alguém diria algo tão absurdo. Logo, parece evidente que por algum outro motivo os americanos optaram por preservar o sistema antigo.

A desconfiança em relação às urnas eletrônicas é grande. Só pode ser esta a explicação, pois todos sabemos que os Estados Unidos, a Alemanha, a França e o Japão são bem mais avançados que o Brasil do ponto de vista da informática. Será que os brasileiros devem mesmo se gabar de suas eleições eletrônicas? Ou será que devem coçar a cabeça em perplexidade por seguirmos à contramão desses países mais desenvolvidos?

O autor pesquisou estudos que apontam alguns riscos de manipulação de software, e eu mesmo já vi alguns vídeos na internet demonstrando como o resultado pode ser adulterado de forma relativamente fácil. Luiz Roberto joga a crucial questão no ar: “Nosso passado político, nossa prática de coronelismo, enxada e voto, mesmo com todos os avanços inegáveis ocorridos no país, não nos sugeririam um maior cuidado?”

Penso que sim. Esse tema precisa ser melhor apurado, mais debatido, e cabe procurar entender melhor as razões pelas quais esses países ricos rejeitam o sistema que o Brasil utiliza. Ainda mais quando sabemos que é o PT no poder, disposto a “fazer o diabo” para lá permanecer pelo mesmo tempo que o ditador do Gabão…

onosam

Sobre onosam